APOIO AOS MEMBROS: CTA apoia a revitalização da Associação Industrial de Moçambique

249

Os Órgãos Sociais da AIMO – Associação Industrial de Moçambique, eleitos no dia 20 de Dezembro de 2019, tomaram posse na última quarta-feira, 26 de Fevereiro, para um mandato de três anos, acto que marca o fim de um longo interregno. A CTA apoiou o processo de revitalização desta agremiação membro-fundadora da Confederação.

Falando momentos depois da tomada de posse, o Presidente da CTA, Agostinho Vuma, manifestou a gratidão da organização que dirige pelo facto de a AIMO ter respondido positivamente aos anseios da CTA de ver esta associação revitalizada.
“A nossa esperança é de ver revitalizada esta que foi uma das associações percursoras desta nossa Confederação”, manifestou Agostinho Vuma, referindo que, no âmbito do diálogo com o Governo, a CTA espera ser alimentada com informações cruciais, no que tange ao desenvolvimento da indústria em Moçambique. Para o efeito, sublinhou: “é necessária uma AIMO organizada e forte”.
“O actual estágio da descoberta e início de exploração de recursos naturais como o carvão, o petróleo e gás, entre outros, desafiam-nos a arregaçar as mangas e alterarmos o presente cenário em que as matérias-primas nacionais, em quase 90%, são transformadas no exterior”.
Um estudo da CTA, elaborado e publicado em 2019, aponta que a indústria da manufactura em Moçambique tem apresentado decréscimos significativos nos últimos 10 anos, sendo que em 2017 a sua contribuição no PIB foi de 8,7%, contra 11,8% registados em 2008. Esta queda, segundo salientou Agostinho Vuma, dentre vários factores, explica-se pelo sufoco a que as micro indústrias, que perfazem mais de 60%, tem passado, dada a situação económica do País e, a consequente, fraca competitividade.
Só em 2018, cerca de 48 micro, pequenas e médias empresas do sector industrial fecharam as portas, tendo resultado numa perda estimada em 1.8% de produção do sector, uma cifra significativa tendo em conta a tendência de desaceleração da contribuição do sector no PIB.