CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE

CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE

Estratégia Associativa

Estratégia Associativa

Base impulsionadora do crescimento do movimento associativo

Uma das missões da CTA, na sua acção para influenciar a criação de um melhor ambiente de negócios, é a promoção de medidas que impulsionem o crescimento de um movimento associativo forte, participativo, socialmente responsável e capaz de influenciar a tomada de decisões. Esta função é desempenhada pelos serviços de apoio aos membros e relações institucionais que:

  • Facilita uma comunicação eficiente, eficaz e transparente aos seus membros e aos outros intervenientes;
  • Apoia os membros no seu crescimento e desenvolvimento;
  • Garante que o trabalho realizado pela CTA inclua os contributos dos membros e dos intervenientes, para tornar os resultados da CTA mais representativos do Sector Privado;
  • Faculta informação atempada sobre os tópicos tratados pela CTA e o desenvolvimento do Sector Privado.

Da maneira mais eficiente possível, a CTA construiu uma estrutura de apoio por todo o País de modo poder satisfazer as necessidades dos seus membros.
Para atender algumas necessidades específicas, como a arbitragem comercial, a formação profissional e a luta contra o HIV/Sida nas empresas, a CTA criou três organizações externas.
A CTA conseguiu estabelecer uma rede ampla de relações institucionais e parcerias, a nível nacional e internacional.
 

Membros

Os membros da CTA são as Federações, Câmaras de Comercio e Associações de empresas que produzam, distribuam ou vendam produtos ou serviços.
A CTA tem 131 Membros entre Federações, Camaras de Comercio e Associações que representam vários sectores de actividade, como por exemplo: transportes, comércio, indústria, aviação civil, hotelaria e turismo, banca, segurança privada, agricultura, farmácias, navegação marítima, publicidade, obras públicas, consultoria, câmbios, estética, etc. No total, estas associações representam cerca de 4000 empresas, com um crescimento constante.
Embora o perfil dos membros seja irregular, nenhuma outra organização em Moçambique se aproxima da base de associações da CTA. O estatuto de membro da CTA – devidamente encorajado e fortalecido – representa, deste modo, um recurso institucional potencialmente poderoso para a reforma do ambiente de negócios e para o desenvolvimento do Sector Privado.
Para o fortalecimento dos membros, projecta-se continuar e acelerar os esforços de maior concentração em Federações Sectoriais, em vez de dispersão da estrutura de associados. Espera-se com este exercício, agrupar todas as associações económicas provinciais de modo a que o Sector Privado ao nível da província esteja representado por uma única voz.
 

Como Tornar-se Membro

Fundadores: que assinaram a Acta da Assembleia Geral constitutiva da Confederação ou a que a ela aderiram nos 30 dias seguintes;
Efectivos: que tenham aceite os Estatutos da Confederação e, simultaneamente, tenham sido admitidos para Membros da CTA;
Honorários: que tenham prestado relevantes serviços ao desenvolvimento da cultura do associativismo e da actividade empresarial nacional, tendo-se, simultaneamente, distinguido por serviços excepcionais prestados à CTA.
Para se inscrever como membros Efectivos, as associações, uniões, federações devem:

  • Representar interesses económicos empresariais;
  • Aceitar os Estatutos;
  • Possuir Estatutos que sejam compatíveis com os Estatutos da CTA;

Comprometer-se a pagar a jóia, as quotas mensais e a cumprir com os deveres estabelecidos nos Estatutos. O pedido de admissão das associações é dirigido para o Conselho Directivo da CTA e deverá ser acompanhado dos seus estatutos e eventuais regulamentos, bem como de uma relação das empresas associadas.
O pedido de admissão das federações e uniões deve ser acompanhado de um exemplar dos seus estatutos e respectivos regulamentos, do regime de quotização, de um exemplar dos últimos relatórios de actividades e contas bem como de uma relação das associações filiadas. Presentemente, no acto de admissão, os membros devem pagar a jóia, no valor de 20 000 MT (vinte mil meticais) e uma quota mensal, no valor de 500 MT (quinhentos meticais).
 

Quem pode ser Membro da CTA?

Podem se tornar membros da CTA, as Federações Sectoriais, Câmaras de Comércio e Associações Económicas formalmente estabelecidas.
Como se tornar membro da CTA?
Para se inscrever e tornar-se membro efectivo da CTA, as Federações Sectoriais, Câmaras de Comércio e Associações Económicas deverão:

  • Escrever uma carta dirigida ao Presidente da CTA solicitando a sua filiação indicando o sector económico a que representa;
  • Aceitar os Estatutos da CTA;
  • Submeter Estatutos que sejam compatíveis com os Estatutos da CTA;
  • Comprometer-se no pagamento da jóia e das quotas mensais e cumprir com os deveres estatutários da CTA.

 

Existem Três Categorias de Membros

Fundadores: que assinaram a Acta da Assembleia Geral constitutiva da Confederação ou a que a ela aderiram nos 30 dias seguintes;
Efectivos: que tenham aceite os Estatutos da Confederação e, simultaneamente, tenham sido admitidos para Membros da CTA;
Honorários: que tenham prestado relevantes serviços ao desenvolvimento da cultura do associativismo e da actividade empresarial nacional, tendo-se, simultaneamente, distinguido por serviços excepcionais prestados à CTA.
Para se inscrever como membros Efectivos, as associações, uniões, federações devem:

  • Representar interesses económicos empresariais;
  • Aceitar os Estatutos;
  • Possuir Estatutos que sejam compatíveis com os Estatutos da CTA;
  • Comprometer-se a pagar a jóia, as quotas mensais e a cumprir com os deveres estabelecidos nos Estatutos.

Associação
O pedido de admissão das associações é dirigido para o Conselho Directivo da CTA e deverá ser acompanhado dos seus estatutos e eventuais regulamentos, bem como de uma relação das empresas associadas.
Federação e União
O pedido de admissão das federações e uniões deve ser acompanhado de um exemplar dos seus estatutos e respectivos regulamentos, do regime de quotização, de um exemplar dos últimos relatórios de actividades e contas bem como de uma relação das associações filiadas. Presentemente, no acto de admissão, os membros devem pagar a jóia, no valor de 20 000 MT (vinte mil meticais) e uma quota mensal, no valor de 500 MT (quinhentos meticais).