Confederação das Associações Económicas de Moçambique

Assinatura de protocolos marca a Cimeira de Negócios da CPLP

A cimeira de negócios encerrou-se com a assinatura de vários protocolos e memorandos de entendimento entre a CE-CPLP e o Governo da Guiné Equatorial e com a assinatura da chamada Declaração de Malabo, que renovou as propostas de criação de um tribunal arbitral, um banco de desenvolvimento e uma agência de investimento comuns ao espaço lusófono.

 Segundo o Presidente da Confederação Empresarial da CPLP, o empresário moçambicano Salimo Abdula, a criação do Tribunal Arbitral da CPLP traria mais eficácia para dirimir litígios entre empresários da comunidade, uma vez que os países da CPLP falam a mesma língua e têm ordenamentos jurídicos próximos.

Salimo Abdula fez saber que, neste momento, este projecto se encontra em uma fase muito avançada, tendo sido já constituída uma comissão que está a trabalhar afincadamente no tema e já produziu várias propostas de documentos, e recentemente, produziu também um questionário com um conjunto de questões com vista à definição de um modelo consensual para a constituição do Tribunal Arbitral. Brevemente serão divulgados os resultados deste trabalho.

Em relação à criação do Banco ou Fundo de Desenvolvimento da CPLP, explicou que o mesmo visa apoiar e financiar projectos bons de pequeno, médio ou grande porte, ultrapassando, assim, a dificuldade de acesso ao financiamento que muitas vezes tem custo elevado nos países da CPLP, inviabilizando os referidos projectos.

A proposta de criação deste Banco de Desenvolvimento foi apresentada pela CE-CPLP em 2014 na Cimeira de Chefes de Estado aquando da presidência da República de Timor Leste, onde conheceu um despacho favorável, mas infelizmente não avançou. “Voltamos a rever o projecto e pretendemos deixar ficar na Guiné Equatorial, na esperança deste país poder dinamizar este projecto junto dos Governos dos outros países membros”, salientou.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn