Confederação das Associações Económicas de Moçambique

COMUNICADO DE IMPRENSA

CTA LANÇA O RELATÓRIO DO ÍNDICE DE ROBUSTEZ EMPRESARIAL REFERENTE AO III TRIMESTRE DE 2021, NO QUAL INTRODUZ O ÍNDICE DE TENDÊNCIAS DE EMPREGO E A AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO EMPRESARIAL A NÍVEL PROVINCIAL

No âmbito da promoção de reflexões sobre a situação económica do País e o desempenho do sector empresarial nacional, a CTA tem vindo a computar um indicador de performance empresarial denominado “Índice de Robustez Empresarial”, que avalia a tendência do desempenho das empresas moçambicanas através de indicadores económico-financeiros que representam a estrutura de custos e receitas em diferentes sectores de actividade. Para apresentação destes relatórios e discussão de temas que marcam a actualidade económica nacional, a CTA realiza eventos trimestrais denominados “Economic Briefing”.

Neste âmbito, no dia 2 de Novembro em curso, a CTA realizou a 7ª edição do Economic Briefing, a última do ano, sob o lema: Desempenho Empresarial e Perspectivas Económicas. Neste evento, foi apresentado o Relatório do índice de Robustez Empresarial do III Trimestre de 2021, que traz duas inovações importantes, nomeadamente, (i) Índice de Robustez Empresarial Provincial – para avaliar as tendências da performance empresarial a nível provincial e identificar os factores que influenciam estas tendências e (ii) Índice de Tendências de Emprego em Moçambique – que avalia as dinâmicas do mercado de trabalho através de indicadores que reflectem as tendências da procura e oferta de mão-de-obra no País.

Com estas inovações, a CTA pretende responder a demanda do mercado e providenciar informação mais sistematizada e consistente sobre o desempenho empresarial nacional e as tendências do mercado de trabalho. Estes instrumentos visam complementar a informação que a CTA já vem disponibilizando sobre o desempenho empresarial e as dinâmicas da economia nacional, trazendo uma visão mais holística e integrada sobre a performance das empresas moçambicanas e o comportamento do mercado de trabalho.

O Índice de Robustez Empresarial nacional resulta da média ponderada dos índices provinciais e é computado na base da modelação macrofinanceira da estrutura de custo e receita de uma empresa típica em diferentes sectores de actividade. A avaliação do III Trimestre de 2021 sugere que este indicador apresentou uma tendência de redução face ao II Trimestre, de 29% para 26%, o que corresponde a uma queda de 3 pontos percentuais.  Esta tendência mostra que as empresas moçambicanas tendem a ser financeiramente menos robustas.

A redução do Índice de Robustez Empresarial a nível nacional deriva de factores genéricos e específicos de cada província, que se verificaram no III Trimestre do ano corrente. Os factores genéricos incluem o aperto das restrições no âmbito do combate a COVID-19, aumento dos custos de transporte devido a recente crise global de logística, depreciação cambial e aumento dos salários mínimos.

Relativamente aos factores específicos, o destaque vai para a província de Tete, onde o sector empresarial foi assolado pela demolição de infraestruturas empresariais ao longo da estrada nacional por orientação da Administração Nacional de Estradas (ANE) e a crise de cimento nas províncias de Nampula e Cabo Delgado, derivada do agravamento dos custos de produção que levou à retracção da produção e aumento de preços. Na província de Cabo Delgado, este cenário culminou com o encerramento temporário da única empresa de cimento da província.

Quanto ao ambiente macroeconómico, entre o II e o III Trimestre de 2021 nota-se uma tendência de deterioração, tendo o índice de Ambiente Macroeconómico registado uma queda em 3pp, de 50% para 47%. Esta deterioração do ambiente macroeconómico deve-se, maioritariamente, à depreciação do Metical face às principais moedas transacionadas no mercado (principalmente o Dólar americano) e a aceleração da inflação, num contexto de manutenção das taxas de juros de crédito, estando inalterada a Prime Lending Rate no nível de 18.9%.

A par da deterioração do ambiente macroeconómico, o III Trimestre de 2021 foi marcado por mudanças legislativas que impactaram adversamente o ambiente de negócios, com destaque para (i) Aprovação do novo Regulamento de Selagem de Bebidas Alcoólicas e Tabaco Manufacturado que tem como impacto o agravamento dos custos das empresas do sector das cervejas; e (ii) aperto das medidas restritivas de combate a pandemia da COVID-19, que limitou a actividade empresarial, sobretudo no segmento comercial.

Relativamente às tendências de emprego, nota-se que entre o II e III Trimestre de 2021, o Índice de Tendências de Emprego (ITE) registou uma redução de 111.24 para 106.46, uma queda de 4.74 pontos, sugerindo que a obtenção de emprego em Moçambique tendeu a ser mais difícil no III Trimestre comparativamente ao II Trimestre de 2021. Esta redução do Índice de Tendências de Emprego reflecte a variação desfavorável de factores que influenciam a procura por mão-de-obra, com destaque para o ajustamento em alta dos salários mínimos.

Olhando para as perspectivas do desempenho empresarial para o IV Trimestre de 2021, no geral, espera-se uma tendência de melhoria devido, essencialmente, ao alívio das medidas restritivas de combate à pandemia da COVID-19, anunciado a partir de Setembro, que poderão contribuir para a retoma do funcionamento da máquina empresarial. No campo macroeconómico, não se espera grandes mudanças na condução de política monetária, havendo predominância de conservadorismo, face aos riscos iminentes da subida dos preços dos produtos no IV Trimestre.

Entretanto, alguns factores poderão contribuir negativamente para o desempenho empresarial no IV Trimestre de 2021, com destaque para o ajustamento em alta dos preços dos combustíveis, em cerca de 10%. Este ajustamento tem como efeito o encarecimento dos custos operacionais das empresas, sobretudo no sector dos transportes, que segundo as estimativas, poderá resultar na queda do desempenho empresarial em 1 ponto percentual, dos actuais 26% para 25%.

Um outro factor que pode contribuir negativamente para o desempenho empresarial no IV Trimestre de 2021 é a recente crise de logística global que limita a fluidez da cadeia de abastecimento internacional e o aumento esporádico dos custos de transporte, em cerca de 359%.

 

Maputo, Novembro de 2021

Pela Melhoria do Ambiente de Negócios!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn