CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE

CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE

CTA VAI CONTINUAR COM ACÇÕES DE MOBILIZAÇÃO DO EMPRESARIADO AO PAGAMENTO DE IMPOSTOS

CTA VAI CONTINUAR COM ACÇÕES DE MOBILIZAÇÃO DO EMPRESARIADO AO PAGAMENTO DE IMPOSTOS


Teve lugar na manhã de hoje um Business Breakfast sobre o tratamento fiscal das despesas não documentadas no Imposto sobre Rendimento de Pessoas Colectivas (IRPS), evento organizado pela CTA e AT em parceria com o SPEED +. Na ocasião, o Presidente da CTA, Agostinho Vuma, reafirmou o interesse desta agremiação empresarial em continuar a desenvolver acções de mobilização do empresariado ao pagamento de impostos, com vista ao alargamento da base tributária, no âmbito do contrato-programa com o Governo.

Nesta perspectiva, e para materialização desde desiderato, a CTA tem vindo a interagir com os produtores, associações, intermediários e empresas que se dedicam à comercialização agrícola nas cadeias de valor de cereais, feijões, castanha, tabaco, hortícolas e avicultura.

Segundo Agostinho Vuma, o grande problema constatado é que, a ausência de documentação da despesa dos produtores cria dificuldades na ligação comercial entre o pequeno produtor e as empresas processadoras ou de comercialização.

Esta dificuldade, sublinhou, “retrai o interesse das empresas processadoras ou de comercialização em comprar e interligar-se com os pequenos produtores”.

A ligação comercial entre as empresas e os pequenos produtores permitiriá:

  • Contabilização da produção;
  • Acesso aos mercados para os pequenos produtores;
  • Geração de renda financeira dos produtores;
  • Alargamento da base tributária.

PRESIDENTE DA AT DESAFRIA SECTOR PRIVADO

Amélia Nakhare, Presidente da Autoridade Tributária de Moçambique (AT), desafiou o Sector Privado a transformar a agricultura como papel dinamizador para a diversificação da economia, sensibilizando e incentivando estes grupo de agentes económicos a tirarem o máximo proveito dos mecanismos e facilidades legalmente instituídas para sua formalização, condição essencial para o seu empoderamento e desenvolvimento.

Neste sentido, sublinhou Amélia Nakhare, o Governo e o Sector Privado, através da CTA, devem trabalhar em conjunto para que todos os agentes económicos intervenientes na cadeia de produção e comercialização agrícola tenham o registo fiscal, focando a sua intervenção, numa primeira fase, nas localidades de maior produção.

Facebook
Twitter
LinkedIn