Delegação do IFC reúne-se com a CTA para se inteirar dos últimos desenvolvimentos no Sector de Oil & Gas

233

O Conselho Directivo da CTA recebeu na tarde de hoje, 22 de Maio, uma delegação do IFC – International Finance Corporation, braço do Banco Mundial, que está em Moçambique para avaliar os últimos desenvolvimentos do mercado moçambicano. Esta visita ocorre no âmbito dos projectos do IFC de apoio ao sector privado para liderar o crescimento económico e tomar vantagens emergentes do sector do Oil &Gas, apurando desta feita os principais desafios e preocupações das PME´s moçambicanas para o cumprimento desse desiderato.

Na mesma ocasião, a CTA partilhou a avaliação dos danos do ciclone IDAI que assolou o País no I Trimestre do presente ano. Sobre esta matéria, a CTA apresentou as necessidades e estratégias desenhadas para o processo de recuperação, tendo apontado para as acções de mobilização de financiamento junto de parceiros. Igualmente, frisou-se que, para além de prover recursos financeiros às empresas afectadas para se reerguerem dos efeitos dos ciclones Idai e Kenneth, é necessário que se garanta a inclusão destas empresas no processo de reconstrução integrando-as nos respectivos concursos públicos.
O IFC felicitou a CTA por estar na dianteira no processo de busca de soluções para apoiar as PME’s afectadas e que irão partilhar a mensagem sobre as necessidades de apoio ao sector empresarial com os seus órgãos de gestão do IFC.
No que concerne ao posicionamento de Moçambique face ao Oil & Gas, a delegação do IFC mencionou a necessidade do sector privado reflectir sobre o prospecto que se avizinha no País com o início da exploração do gás natural. Sobre este tópico, informou-se que a CTA lidera o processo de advocacia de reformas visando a melhoria do ambiente de negócios e neste âmbito está engajada na elaboração e aprovação da Lei de Conteúdo Local, um instrumento que irá assegurar a participação das PME´s nacionais na cadeia de valor do Oil &Gas.
Como principais constrangimentos para a integração efectiva das PME’s nacionais nos negócios de Oil & Gas, a CTA apresentou questões ligadas à certificação para responder aos requisitos da indústria, acesso ao financiamento para as PME’s investirem e se fortalecerem, e o acesso à informação sobre os contratos e as necessidades desses projectos.