EMISSÃO DE BILHETES DE TESOURO: CTA PREOCUPADA COM A FALTA DE CLAREZA DOS OBJECTIVOS DA EMISSÃO

488

O Presidente da CTA, Agostinho Vuma, mostra-se preocupado com a recente emissão de Bilhetes de Tesouro por parte do Banco de Moçambique e refere que a autoridade monetária está a ser pouco comunicativa ao não clarificar os devidos propósitos da emissão destes títulos de dívida pública, situação que está a agitar o mercado e a alimentar especulações.

Falando à margem da visita que efectuou hoje, 17, à Câmara dos Despachantes Aduaneiros de Moçambique, Agostinho Vuma disse que a CTA, como representante do sector privado moçambicano, ainda está a procurar perceber qual é o propósito desta emissão de Bilhetes de Tesouro, tendo referido que, se for medida para condução da política monetária seria ideal, mas caso seja para financiar a despesa pública vai limitar a possibilidade de redução de taxas de juro, vai encarecer o custo para as empresas reinvestir e expandir os seus negócios. Nestas circunstâncias, aumenta a tendência de especulação no sistema financeiro.

A CTA tem vindo a chamar atenção às autoridades monetárias para o uso abusivo desta prática. Nos últimos três anos, o Banco de Moçambique emitiu de forma desenfreada Bilhetes de Tesouro, e como resultado aumentaram as taxas de juro criando dificuldades de acesso a recursos financeiros para o reinvestimento por parte de empresas.

Para o Presidente da CTA, esta decisão pode afectar negativamente os ganhos macroeconómicos que o País vinha registando, nomeadamente na inflação e taxa de câmbio, factores que poderão influenciar as previsões de crescimento económico do país para 2019.