Empresas nacionais devem apostar na sua certificação para garantir a competitividade

139

O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, exortou, na abertura da 55ª edição da FACIM, que decorre desde segunda-feira até domingo em Marracuene, às empresas nacionais a apostarem na sua certificação porque só assim é que podem assegurar a sua competitividade no mercado internacional.

“É necessário que as empresas nacionais apostem na certificação da qualidade dos seus produtos e serviços prestados, bem como garantam a regularidade do seu fornecimento porque só assim, podemos ganhar e competir no mercado internacional”, disse o Presidente da República.
A questão de certificação de empresas constitui o nó de estrangulamento para a competitividade das empresas nacionais no mercado internacional, dadas as exigências do mercado, que querem produtos e serviços que atendam a padrões internacionais.
Apesar das dificuldades que o País enfrenta, o Chefe do Estado disse que o país continua a crescer, tendo destacado o aumento do volume de exportações, que atingiu, ano passado, mais de cinco biliões de dólares americanos. Reconheceu que os desafios ainda são muitos, por isso exortou as empresas a intensificarem os níveis de produção e produtividade, pois são elas que devem dinamizar a substituição das importações por exportações.
Filipe Nyusi disse que, ao longo dos 50 anos da FACIM, as empresas nacionais e estrangeiras e de todas as dimensões têm estado a exibir os seus produtos, serviços, inovações e criações. Exortou os moçambicanos a valorizarem a produção, consumo e exportação de bens nacionais, criando maior robustez às empresas nacionais.
A decorrer sob o lema “Moçambique e o Mundo: Alargando o Mercado, Promovendo Investimento e Potenciando Parcerias”, participam, nesta edição da FACIM, mais de 20 países e cerca de dois mil expositores, entre nacionais e estrangeiros.