Governo pretende responder às preocupações dos exportadores e importadores

488

O Ministro da Indústria e Comércio, Ragendra se Sousa, disse que, com entrada em vigor do Acordo de Facilitação do Comércio, para além de um aumento generalizado no comércio, há outro benefício de particular interesse para Moçambique que está relacionado com as provisões sobre procedimentos de trânsito, pois, pretendendo desenvolver o negócio do comércio de trânsito, através dos corredores de desenvolvimento e o facto de também estar comprometido em harmonizar e simplificar os procedimentos, poderá ser uma vantagem comparativa para o país.
Referiu que, o processo de ratificação, constituiu uma oportunidade para o Governo, enviar, uma vez mais, um forte sinal ao Mundo, que está comprometido com a Facilitação do Comércio, e que pretende responder as preocupações dos importadores, exportadores e operadores de trânsito.
Salientou ainda que, após a ratificação do Acordo de Facilitação do Comércio, a criação do Comité Nacional de Facilitação do Comércio representa o primeiro passo importante, dado pelo Governo de Moçambique, mostrando mais uma vez o interesse em ver implementado o Acordo de Facilitação do Comércio
“A implementação do Acordo de Facilitação do Comércio exige a participação imprescindível de todas as instituições, que intervêm no processo de importação e exportação de mercadorias. Neste contexto, caberá ao Comité Nacional de Facilitação do Comércio, trazer todos os intervenientes à mesa e assegurar o seu alinhamento e trabalho coordenado, para garantir a implementação eficiente do Acordo de Facilitação do Comércio. Caberá ainda, ao Comité Nacional de Facilitação do Comércio, a função de identificar detalhadamente as necessidade de assistência técnica e mobilização de recursos junto dos parceiros de cooperação”, referiu o Ministro.