MOZEFO renova a esperança das PME´s moçambicanas

81
  • considera o Presidente da CTA

O Presidente da CTA, Agostinho Vuma, considera o MOZEFO – Fórum Económico e Social de Moçambique, um espaço que renova a esperança das Pequenas e Médias Empresas (PME´s) moçambicanas, porquanto debate-se temas que orientam o caminho para o futuro. considera o Presidente da CTA

Falando no encerramento do MOZEFO 2019, que decorreu nos dias 20 e 21 de Novembro em curso, em Katembe, Agostinho Vuma disse que os debates foram determinantes, encorajadores e orientadores para um horizonte que deverá conduzir os moçambicanos a desafiar o desenvolvimento e levar Moçambique a afirmar-se na estrutura de uma economia competitiva e dinâmica a nível mundial.
Para o Presidente da CTA, o MOZEFO, que decorreu sob lema “África 2030 – Moçambique como catalisador da transformação”, renovou a esperança e o compromisso de trabalhar-se para realizar o sonho colectivo dos moçambicanos de transformar a promissora economia do país em instrumento de desenvolvimento de todo o continente. A diversidade da temática abordada nestes dois dias coincide com a matriz das prioridades que a CTA tem em carteira, e que tem orientado a sua advocacia, no contexto da melhoria do ambiente de negócios.
Por exemplo, no contexto do sector de petróleo e gás, a CTA tem vindo a promover a pesquisa e divulgação das oportunidades de negócios, com as atenções voltadas para mecanismos de participação do sector privado nacional, dominado por PME´s, no fornecimento de bens e serviços às multinacionais operando em Moçambique.
Sobre este aspecto, o Agostinho Vuma destacou a visão da CTA que é de uma lei do conteúdo nacional que assegure a participação das empresas nacionais na cadeia de valor dos grandes projectos, uma lei que seja um mecanismo para maximizar os benefícios para os moçambicanos.
“A nossa advocacia é por uma inclusiva, que não desincentive os investidores estrangeiros, mas que incentive a partilha de benefícios e transferência de know how entre o Governo, as grandes empresas e as PME´s”, referiu.
Como forma de sustentar esta visão, a CTA lançou, recentemente, em parceria com a Fundação para a Melhoria do Ambiente de Negócios (FAN), o PRONACER, um programa que visa contribuir para a certificação das PME´s nacionais de modo a habilitá-las para o procurement de bens e serviços no contexto da indústria do petróleo e gás.
Neste primeiro ano de implementação do Programa, pretende-se beneficiar a 200 empresas, num investimento total de cerca de 500 mil dólares americanos.
Durante o MOZEFO, foi abordado o papel da cultura e indústria criativa no desenvolvimento das nações.

A CTA olha para a cultura, no geral, como actividades guiadas pelos mesmos conhecimentos e práticas que orientam qualquer negócio.
Por isso, através do seu Pelouro de Cultura e Turismo, CTA tem agido no sentido de fazer com que a indústria criativa (música, a arte, teatro e a criatividade) transcendam as barreiras para o sucesso, imprimindo novas dinâmicas. O Presidente da CTA classificou o MOZEFO como uma iniciativa privada que exalta a inovação, iniciativa e visão futurista, na busca de respostas aos desafios que o actual estágio da economia, e as exigências das diversas multinacionais operando em Moçambique, colocam ao empresariado nacional.
Na abertura do evento, o Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, encorajou iniciativas do género e enalteceu o papel e liderança do sector privado nos desafios de desenvolvimento.
Sobre o MOZEFO disse que o mesmo produz ideias capazes de catalisar o crescimento da economia moçambicana.

MOZEFO superou expectativas

Para Daniel David, Presidente do Conselho de Administração da FUNDASO, organizadora do evento, o MOZEFO mostrou que Moçambique é um país que oferece qualidade e inovação, que podem competir a nível global. Destacou o peso dos 45 oradores nacionais e estrangeiros que constituíram os painéis que discutiram vários temas de actualidade económica e social visando o desenvolvimento sustentável de Moçambique. Daniel David disse que o evento superou as expectativas, tanto em termos de participação assim como de qualidade e relevância dos temas discutidos. “Estes números parecem insignificantes mas demonstram a capacidade que a FUNDASO tem na organização de eventos desta natureza”, sublinhou Daniel David.

CTA reconhecida pelo seu contributo no crescimento económico de Moçambique

Como tem sido apanágio, o MOZEFO galardoa instituições e personalidades cujo papel e empenho contribuem para o desenvolvimento sócio-económico de Moçambique. Para esta edição, MOZEFO AWARDS 2019, a CTA foi galardoada em reconhecimento do seu contributo para o crescimento económico de Moçambique e do seu papel no fortalecimento do sector privado nacional visando a melhoria do ambiente de negócio.

O Presidente da CTA, Agostinho Vuma, dedicou este reconhecimento a todos os membros e colaboradores da Confederação, tendo assegurado que a organização, que já tem o estatuto de Entidade de Utilidade Pública, continuará a advogar por reformas que concorram para um ambiente de negócios favorável e para o crescimento económico do país.