Confederação das Associações Económicas de Moçambique

NA ZONA CENTRO: PROVÍNCIAS DA ZAMBÉZIA E MANICA APRESENTARAM MAIOR NÍVEL DE ROBUSTEZ EMPRESARIAL NO III TRIMESTRE

A avaliação do índice de Robustez Empresarial a nível provincial, uma inovação introduzida nesta 5ª edição do relatório do IRE, sugere que em todas as províncias do País, o desempenho do sector empresarial mostrou tendência de deterioração no III Trimestre de 2021 se comparado com o Trimestre anterior. A despeito desta tendência geral, as províncias da Zambézia e Manica (região centro) apresentam um maior nível de robustez empresarial comparativamente as outras províncias.

De acordo com o relatório do índice de Robustez Empresarial, é de certa forma surpreendente que, na zona centro, Sofala apresente o menor índice de Robustez Empresarial, visto que a província possui um tecido empresarial mais organizado da região, sendo expectável que a sua robustez fosse maior que o das outras províncias. No entanto, devido aos choques climáticos sucessivos que assolaram esta província (ciclones IDAI, Chalane e Eloise) e os ataques armados protagonizados pela junta militar ao longo dos últimos dois anos, tendo criado uma disrupção significativa na sua estrutura económica, o nível de desempenho financeiro das empresas de Sofala encontra-se estruturalmente abaixo do seu potencial.

Nota-se, igualmente, que a província de Tete demostrou uma queda acentuada, em cerca de 4 pontos percentuais, de 29% para 25%, justificada pelo cumulativo de factores genéricos e outros específicos, como a demolição de infraestruturas empresariais situadas ao longo da estrada nacional em todas as cidades e vilas da província, por orientação da ANE que alega pretender organizar a N1.

 

 

Zona Sul

Na zona sul, as províncias de Maputo e Gaza apresentaram uma queda menos pronunciada do desempenho empresarial, em 2 pontos percentuais, devido ao relativo equilíbrio na configuração sectorial do tecido empresarial, que permite que a queda significativa registada no sector da Hotelaria e Restauração tenha sido compensada pela resiliência de sectores como o sector industrial.

Enquanto isso, a província de Inhambane apresenta a maior queda do desempenho empresarial na zona sul, tendo reduzido em 3 pontos percentuais, passando de 27% para 24%. A queda mais pronunciada é justificada pelo facto do tecido empresarial desta província ser predominantemente constituído por empresas do sector da Hotelaria e Restauração, que foram em larga escala afectadas pelas medidas restritivas de combate a COVID-19 e a época baixa do turismo (inverno), o que influenciou negativamente a actividade das empresas deste sector.

 

Zona Norte

Na zona norte, a província de Cabo Delgado registou a menor redução do desempenho empresarial, sendo que o Índice de Robustez Empresarial caiu em apenas 1 ponto percentual, de 26% para 25%.

Esta redução menos pronunciada justifica-se pela relativa melhoria das condições de negócios nesta província.

Embora as empresas de Cabo Delgado continuem sendo negativamente assoladas pela crise da insegurança e o impacto da suspensão dos projectos de Oil&Gas, no III Trimestre de 2021 verificou-se uma tendência de regresso à normalidade devido ao ligeiro alívio resultante da recuperação dos distritos fortemente afectados pelo terrorismo. A perspectiva de retoma das actividades dos projectos ora suspensos, poderá catapultar a recuperação da economia da Província.

Já a província de Nampula registou uma redução maior, de 26% para 23%, justificada, para além dos factores genéricos que afectaram o desempenho empresarial no III Trimestre de 2021, por factores específicos com destaque para o aumento do preço do cimento derivado no mercado internacional, conjugado com os efeitos da crise de logística global que tende a encarecer os custos de produção.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn