CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE

CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE

PARCERIA CTA E GAIN RESULTOU NO FINANCIAMENTO A 15 PROJECTOS NO VALOR DE USD 1,05 MILHÃO

PARCERIA CTA E GAIN RESULTOU NO FINANCIAMENTO A 15 PROJECTOS NO VALOR DE USD 1,05 MILHÃO

Durante a vigência do último Memorando de Entendimento, assinado em 2018 entre a CTA e a GAIN, foram alcançados resultados animadores, com destaque para a
implementação do Fundo de Recuperação de Empresas pós ciclone IDAI e Kenneth onde foram aprovados e financiados 15 projectos num montante de USD 1,05 milhão, das províncias de Cabo Delgado, Nampula, Manica, Tete, Zambézia e Sofala.

As empresas seleccionadas recebem, para além da assistência financeira, a assistência no desenvolvimento do plano de negócios e técnica para sua implementação.
Ainda no rol da parceria com a GAIN, procedeu-se ao lançamento do Manual sobre Nutrição no Local de Trabalho, um guião que permite as empresas, que queiram lançar programas de nutrição para a força laboral, possam fazê-lo mesmo que não tenham nenhuma experiência sobre a matéria.
As principais linhas orientadoras do Plano Estratégico 2021-2024 da CTA colocam ênfase em acções para estimular a produtividade e competitividade das empresas nacionais e promover iniciativas inovadoras com o afã de capacitar financeiramente as empresas nacionais.
Falando na 4ª Conferência Anual da SBNMOZ – Rede de Empresas para a Expansão da Nutrição em Moçambique, o Presidente da CTA e Champion da Rede, Agostinho Vuma, destacou a importância da intervenção do sector privado para reverter o quadro actual de insuficiência de micronutrientes no seio da população moçambicana.
Moçambique perde mais de 10% do seu PIB anual devido a desnutrição crónica (OMS, 2017).
Nesta intervenção do sector privado abrem-se enormes oportunidades para negócio na produção do ovo. Estima-se que o consumo de ovos no País é um dos mais baixos na região, situando-se em 12 ovos per capita por ano, sendo que destes 4 são produzidos localmente, e os restantes são importados.
Para colmatar o défice, o sector privado pode investir no reforço da capacidade existente; investimentos na produção, qualidade e regularidade de culturas agrícolas como milho e soja, para o fabrico da ração; armazenamento, conservação e transporte da produção; processamento do ovo em pó, da separação e congelamento da gema e clara, entre outros oportunidades de negócios.

Na vertente do Diálogo Público-Privado, Agostinho Vuma referiu que a CTA tem advogado junto do Governo a necessidade de acelerar o ritmo de implementação de reformas tendentes a melhoria do ambiente regulatório. Neste sentido, recebeu com a satisfação a medida de redução do IRPC para 10% na agricultura, no âmbito do pacote de medidas de aceleração económica. Agostinho Vuma acredita que esta medida irá influenciar positivamente na produção de alimentos nutritivos.

Facebook
Twitter
LinkedIn