PRESIDENTE DA REPÚBLICA ADVOGA PELA DIVERSIFICAÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NORTE-AMERICANO EM ÁFRICA

317

Arrancou hoje, 19 de Junho, em Maputo, a 12ª Cimeira de Negócios EUA-África, evento que juntou mais de 1500 altos executivos das corporações norte-americanos e de África, bem como representantes de Governos dos EUA e do continente africano.

No seu discurso de abertura, o Presidente da República de Moçambique, Filipe Jacinto Nyusi, encorajou o empresariado norte-americano a diversificar o seu investimento em África, afirmando que o continente africano oferece diversas oportunidades de negócios, que não são devidamente exploradas, por falta de financiamento. Apontou o défice existente no sector de infra-estruturas.

“O continente africano apresenta um défice de financiamento para infra-estruturas, estimado entre 68 e 108 biliões de dólares, de acordo com o Banco Africano de Desenvolvimento. A mobilização desses recursos é vital para acelerar o processo de integração económica regional do continente. Outrossim, a entrada em vigor da Zona de Comércio Livre do continente africano, representa um passo importante rumo a massificação do comércio inter-regional no continente, pois tem potencial de criar um mercado de um ponto dois biliões de pessoas, com um Produto Interno Bruto agregado de cerca de dois ponto cinco triliões de dólares”, referiu Filipe Nyusi.

O Presidente da República de Moçambique defendeu que esta Cimeira de Negócios EUA-África, constitui uma excelente oportunidade para atrair investimento estrangeiro ao continente africano, em geral, e a Moçambique, em particular, o que condiz com o que o Governo tem vindo a fazer para atrair capital externo.

“A escolha de um país africano para acolher uma iniciativa de grande dimensão como esta, revela a importância que os Estados Unidos dão ao continente no xadrez económico global. Por isso, a realização da Cimeira nesta altura enche de orgulho os moçambicanos, dando-lhes muita responsabilidade”, sublinhou.