PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS: DADO O PASSO IMPORTANTE PARA CAPITALIZAR AS OPORTUNIDADES DOS GRANDES PROJECTOS

213

CTA e a FAN – Fundação para Melhoria do Ambiente de Negócios lançaram, na última segunda-feira, 9 de Setembro, o Programa Nacional de Certificação de Empresas (PRONACER), um projecto piloto que tem como objectivo capacitar as PME´s de modo a assegurar a sua participação efectiva e sustentável na cadeia de fornecimento de produtos, bens e serviços aos grandes projectos.

O Presidente da CTA, Agostinho Vuma, disse, na ocasião, que a certificação das empresas nacionais é um passo importante para capitalizar as oportunidades e enfrentar os desafios que se colocam no contexto dos grandes investimentos que Moçambique tem vindo a receber, principalmente, no sector de hidrocarbonetos.

O PRONACER será implementado, abrangendo empresas de diversos sectores, com o foco, nesta fase piloto, à indústria de carvão, petróleo e gás natural, e espera-se, entre outros resultados, o aumento de empresas nacionais que fazem negócios com os grandes projectos e melhorado o acesso à certificação pelas PME´s.

O projecto compreenderá duas fases distintas, nomeadamente: a capacitação de empresas nacionais, preparando-as para a certificação, e a certificação empresarial comparticipada pelas empresas elegíveis.

No âmbito deste programa, o BCI irá disponibilizar facilidades de financiamento para a comparticipação das empresas.

Espera-se que, este processo abranja cerca de 200 PME´s, o que poderá representar um incremento em cerca de 400% de empresas certificadas em Moçambique.

Para o Presidente da CTA, o PRONACER constitui um contributo do sector privado para agregar credibilidade e competitividade, tornando os produtos e/ou serviços prestados pelas empresas nacionais cada vez mais elegíveis aos requisitos que se impõem à sua participação nas oportunidades de negócios emergentes nos grandes projectos.

O PRONACER é mais um contributo da CTA, no âmbito da materialização do seu Plano Estratégico 2017 – 2020, de promover um sector empresarial coeso, produtivo, gerador e distribuidor da riqueza nacional.

O PCA da FAN, Leonardo Simão, realçou a necessidade de certificação, pois as empresas internacionais que operam na indústria extractiva exigem esta certificação, não motivadas por capricho ou vontade de exclusão, mas como instrumento de minimização de riscos, em obediência às condições de financiamento e investimento que tiverem de aceitar para a realização dos seus projectos.

Referiu que, embora a legislação sobre o Conteúdo Local esteja ainda em fase inicial de aplicação, é, contudo, tempo de as empresas nacionais terem conhecimento sobre as certificações necessárias para a sua participação nas indústrias de grande porte, o que lhes pode trazer grandes benefícios económicos e financeiros.

A FAN está convicta do sucesso desta iniciativa e que irá contribuir para a consolidação da paz no país.
É, portanto, dentro deste contexto que a FAN tem vindo a dar o máximo das suas capacidades no apoio ao desenvolvimento do sector privado nacional, através da CTA e outros parceiros, para que este se torne cada vez mais robusto em capacidade de gestão e governação corporativa, produção de bens e serviços competitivos e comprometida com o desenvolvimento profissional e bem-estar dos seus trabalhadores.

Através da CTA, a FAN já financiou em cerca de 54 milhões de Meticais projectos de desenvolvimento empresarial, implementados, quer ao nível central, quer ao nível dos Conselhos Empresariais Provinciais.