CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE

CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE

Regime Jurídico de Contratação de Cidadãos de Nacionalidade Estrangeira

Regime Jurídico de Contratação de Cidadãos de Nacionalidade Estrangeira

Provedor web

 

Regime Jurídico de Contratação de Cidadãos de Nacionalidade Estrangeira

As regras para a contratação de cidadãos de nacionalidade estrangeira devem ser cumpridas por todas entidades empregadoras nacionais e estrangeiras, estendendo-se às Embaixadas em relação aos trabalhadores contratados fora do âmbito das relações diplomáticas e consulares e ainda aos administradores, directores, gerentes, mandatários e entidades representantes de empresas estrangeiras em relação aos trabalhadores ou delegados das suas representações.
Existem quatro regimes de contratação de cidadãos de nacionalidade estrangeira, quais sejam:

Regime de Quotas
Calcula-se em 5% da totalidade dos trabalhadores nas grandes empresas, as quais empregam mais de 100 trabalhadores, em 8% para as médias empresas, com mais de 10 até ao máximo de 100 trabalhadores e em 10% para as pequenas empresas, até 10 trabalhadores. A taxa a pagar é correspondente a três salários mínimos vigentes no sector de actividades em que a empresa se insere (art. 4 e 6 do Decreto n.º 55/08 de 30 de Dezembro).

Regime de Autorização de Trabalho
Para empresas que tenham esgotado a quota, organizações não-governamentais, trabalho de investigação científica, docência e em outras áreas de assistência técnica especializada, a contratação será decidida por despacho do Ministro que superintende a área do Trabalho. As taxas a pagar são correspondentes a 10 salários mínimos vigentes no sector de actividades em que a empresa se insere (art. 14 a 17 do Decreto n.º 55/08 de 30 de Dezembro).

Regime de Curta Duração
O que não excede 30 dias seguidos ou interpolados, quando prestado por cidadãos estrangeiros ainda que estejam vinculados por contrato com a empresa sede ou suas representadas sedeadas num outro país. Este regime não carece de autorização de trabalho, não se integra no regime de quotas e está isento de pagamento de taxas. Por motivos devidamente justificados pela entidade empregadora, o período do trabalho de curta duração pode ser prorrogado, mas em caso algum poderá exceder 90 dias por ano (art. 12 e 13 do Decreto n.º 55/08 de 30 de Dezembro).
Projectos de investimentos aprovados pelo Governo
Em projectos de investimentos aprovados pelo Governo, nos quais se prevê a contratação de cidadãos estrangeiros em percentagem superior ou inferior à prevista no regime de quotas, basta a comunicação, juntando, para o efeito, a cópia do projecto de investimento que menciona o número autorizado de estrangeiros a serem contratados (art. 8 e 10 do Decreto n.º 55/08 de 30 de Dezembro).

Relativamente as formalidades a observar no processo de contratação, deve-se obedecer o seguinte:
1. Para o regime de quotas, o processo deve dar entrada juntando-se os seguintes documentos: 2 exemplares de carta; 3 exemplares do contrato de trabalho, certidões de quitação emitida pelas finanças e pelo INSS; relação nominal de trabalhadores relativa ao ano civil anterior; cópia autenticada do passaporte ou DIRE; comprovativo de pagamento da taxa.
2. Relativamente à contratação em projectos de investimento aprovados pelo Governo, o processo deve juntar cumulativamente o referido projecto.
3. No âmbito do regime de autorização de trabalho, o processo deve dar entrada juntando-se os seguintes documentos: certificado de habilitações literárias ou técnico-profissionais e documento que comprova a sua experiência profissional; parecer das estruturas sindicais, comprovativo de pagamento da taxa.

(Alcides Maússe, CTA- Provedor do Empresário)

Facebook
Twitter
LinkedIn