CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE

CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE

AGRONEGÓCIOS E HOTELARIA E RESTAURAÇÃO REGISTAM MELHOR ÍNDICE DE ROBUSTEZ EMPRESARIAL NO II TRIMESTRE DE 2022

AGRONEGÓCIOS E HOTELARIA E RESTAURAÇÃO REGISTAM MELHOR ÍNDICE DE ROBUSTEZ EMPRESARIAL NO II TRIMESTRE DE 2022

Os Sectores de Agronegócios, Hotelaria e Restauração registaram os melhores Índices de Robustez Empresarial no II Trimestre de 2002, enquanto os Transportes e Indústria registaram uma tendência de abrandamento, de acordo com a VIII edição do Índice de Robustez Empresarial.   

  

Agronegócios

O desempenho das empresas do sector de Agricultura passou de 25% no I Trimestre para 27% no II Trimestre de 2022, uma tendência que se deveu, em grande parte, pelo início da época de comercialização dos bens agrícolas que se regista a partir do II trimestre do ano. O outro factor tem que ver com o aumento das exportações de culturas de rendimento, algumas devido ao ciclo de exportações que inicia em finais de I trimestre (como é o caso do Camarão, Algodão, etc).

Contudo, o aumento do custo dos insumos de produção em algumas províncias, como foi o caso do aumento em 24% e 15% de fertilizantes e pesticidas em Maputo e Tete, respectivamente, entre o I e II Trimestre de 2022, pesou na estrutura de custos do sector, assim como o agravamento do preço dos combustíveis que se regista desde o IV Trimestre de 2021, visto que com um custo maior do transporte, as empresas tiveram que reduzir a sua margem de lucro, o que limitou uma melhoria mais pronunciada da sua performance financeira.

Por exemplo, na Província de Nampula as receitas das fábricas de processamento da Castanha de Cajú prosseguiram com tendência de queda devido a redução da quantidade processada em face ao aumento do preço de aquisição da Castanha junto ao pequeno agricultor em 14%, explicado por uma procura maior que a disponibilidade.

No sector das Pescas, a actividade empresarial apresentou um aumento no II Trimestre de 2022 face ao Trimestre anterior devido ao início da campanha de pesca do Camarão e outras produtos marinhos que inicia no mês de Abril.

 

Hotelaria e Restauração

No sector da Hotelaria e Restauração, o índice apresentou uma aceleração entre o I e II Trimestres de 2022, tendo passado de 28% para 36%, o correspondente a uma variação de 8.8 pontos percentuais.

Todavia, este desempenho não foi uniforme ao longo do País.

Em grande parte esta tendência é explicada pela retirada das restrições associadas ao combate à COVID-19 e o retorno da actividade cultural.

Quanto ao alívio de restrições, o destaque vai para a reabertura das Praias, a retoma do horário de funcionamento dos restaurantes, o aumento do número de participantes em eventos, reuniões e conferências privados e a eliminação do recolher obrigatório.

A província de Inhambane foi a que mais se destacou, sendo que de acordo com os dados da Direcção Provincial do Turismo, no II Trimestre de 2022 esta Província recebeu pelo menos cerca de 111,679 turistas, ou seja, um crescimento exponencial face a cifra de 10.502 visitantes registados no I trimestre de 2022.

Todavia, algumas províncias, como Maputo, ressentiram- se do inverno e Cabo Delgado da situação de insegurança, lo que levou ao declínio da taxa de ocupação das instancias turísticas.

Quanto à restauração, o alargamento do horário de funcionamento dos estabelecimentos de restauração e a retirada do recolher obrigatório, influenciou positivamente para uma melhor faturação deste sector. O melhor efeito positivo foi a autorização da realização de eventos privados como espetáculos.

Relativamente as agências de viagem, o alívio de restrições e a realização de conferências, contribuiu para o aumento do fluxo de viagens, tanto a nível doméstico assim como internacional, o que estimulou a melhoria da facturação das empresas deste sector, principalmente no segmento do turismo de negócios.

 

Transportes

Enquanto isso, o desempenho do sector dos transportes registou um ligeiro abrandamento entre o I e o II Trimestres de 2022, sendo que o Índice de Robustez Empresarial deste sector passou de 26% para 23.0%, o correspondendo a uma perda de 3 pontos percentuais, devido, em grande parte, ao agravamento do custo de combustível registado a partir de finais de Março.

Os outros factores que influenciaram negativamente o sector de transporte e logística compreendem o aumento dos preços de peças e sobressalentes nos países vizinhos e a redução do fluxo de carga em trânsito nos principais corredores logísticos do País.

 

Indústria

O sector industrial também registou uma tendência de abrandamento, sendo que o IRE neste sector passou de 29,4% para 27%, o correspondente a uma variação negativa de 2.4 pontos percentuais, devido ao aumento dos custos de produção.

Em relação a evolução das receitas, destaca-se o caso do sector de bebidas alcoólicas, cujos preços de vendas aumentaram em cerca de 10% e na indústria de alimentos, o incremento chegou a 32%, o que impulsionou a melhoria dos rácios de performance económico-financeiro das empresas destes subsectores.

O alívio de medidas restritivas de combate a COVID-19, foi também um factor determinante para a melhoria do desempenho empresarial no sector industrial. A indústria de bebidas alcoólicas beneficiou-se da retoma do horário normal de funcionamento dos Bottle Stores,abertura de bares e autorização de espetáculos e festas privadas. Com este novo quadro, as indústrias de bebidas alcoólicas registaram um crescimento no fluxo de vendas e, consequentemente, maior facturação.

Por exemplo na indústria da panificação, registou-se aumento preço da farinha de trigo devido ao conflito entre a Rússia e Ucrânia.

Ainda que por conta do início da campanha de comercialização agrícola, tenha havido maior disponibilidade de bens para o processamento, em Tete, o preço da farinha de milho subiu de preço devido ao impacto da elevação de outros consumíveis, em Inhambane a indústria de óleo de coco e sabões reclama pela falta de matéria-prima e o aumento do custo de aquisição.

A situação da escassez da matéria-prima, observa-se também em Manica, onde operadores da indústria mineira se deparam com falta de matéria-prima para processamento de ouro.

O aumento dos encargos financeiros e a persistência de atrasos do pagamento de facturas por parte do Estado também afectou o sector industrial.

À semelhança dos demais sectores, este desempenho do sector industrial no II Trimestre de 2022, também esteve constrangido pelo agravamento dos custos de transporte devido ao aumento em 11,5% do preço do combustível.

Adicionalmente, o sector industrial é impactado pelo alto custo da tarifa de água e electricidade que tem um grande peso na estrutura de custos de algumas pequenas indústrias que utilizam a água como um insumo fundamental para o processo produtivo, como é o caso das indústrias de sumos e refrigerantes.

 

Facebook
Twitter
LinkedIn